CRUZEIRO DO SUL: Zequinha Lima sai da Frente Popular por não concordar com atitudes do PT


zequinha lima

“Dinheiro faz a diferença na vida, mas não é tudo. Era como um cala boca pra mim e eu não preciso disso”, desabafou Zequinha Lima ao se referir a decisão de romper com a Frente Popular.

O ex vereador Zequinha Lima, que por mais de 25 anos militou na Frente Popular do Estado do Acre, filiado ao PC do B, saiu da coligação e do seu partido no último mês. Atualmente sem partido, Zequinha deve nos próximos dias se filiar ao Partido Progressista (PP), a convite do senador da república Gladson Cameli. Segundo eles vários fatores motivaram a saída do partido e da coligação.

“Foram vários os motivos que me fizeram tomar três decisões importantes na minha vida: primeiro o meu pedido de exoneração do cargo de confiança que eu exercia no Governo do Estado, a segunda foi sair da Frente Popular e a terceira foi me desligar do PCdoB depois de 25 anos. Eu sou da origem da Frente Popular desde seu início nos anos 90, e de lá para cá sempre participei de todas as atividades, mas existente um momento que tudo passa, e temos que tomar decisões diferentes”, destacou.

Segundo Zequinha Lima o tratamento recebido por ele enquanto estava na coordenação do núcleo da secretaria de educação estadual foi um dos principais fatores para sua desmotivação.

“Ultimamente eu vinha recebendo um tratamento muito difícil na Frente Popular, as vezes de ser tratado como se eu fosse adversário, sendo que ali eu estava contribuindo. Foi assim nos 03 anos e oito meses como coordenador de educação. Recebi um tratamento que não foi digno. Não gostei da forma como fomos tratados no núcleo da secretaria de educação. Participei de toda campanha ativamente, e depois da eleição não fomos chamados sequer uma vez pelo Partido dos Trabalhadores para dar minha opinião, ou pelo menos para ouvir o que eles estavam pensando, e eu estava me sentindo um peixe fora da água”, falou o ex-vereador.

Depois de se auto-descrever como “um peixe fora d’água” no “hall seleto” da Frente Popular do Acre, o ex-comunista enfatizou sua decepção ideológica partidária. “Por isso, mesmo sem função definida e ganhando bem, decidi romper. Eu acho que o dinheiro é importante e faz a diferença na vida de qualquer pai de família, mas não é tudo. Era como um cala boca pra mim e eu não preciso disso”, desabafou.

Quando perguntado qual o seu futuro político Zequinha foi enfático: “Eu estou indo para o PP e ainda não sei qual papel irei cumprir. Caso eu seja indicado a algum cargo majoritário estarei lá na oposição, seja como prefeito, vice, ou qualquer outra função. Quero deixar claro que não me prometeram nada para ir para oposição. O que eu tenho de certo é que nas próximas eleições eu estarei integrando o quadro da oposição."

Convidado pelo Prefeito Vagner Sales para compor a administração pmdbista, como Secretário Municipal de Cultura, Zequinha afirma que veio para somar. Zequinha Lima tem boas expectativas e grandes projetos à frente à Secretaria Municipal de Cultura, função que foi nomeado recentemente. Já mostrando-se antenado com a realidade local, bem como da pasta que foi recém-nomeado.

“Aceitei o convite do Prefeito Vagner Sales e estou vindo para somar, para contribuir com a Administração Municipal naquilo que a gente puder contribuir”, afirmou.

Muito mais que descrever seu plano de ação a frente da Secretaria Municipal de Cultura de Cruzeiro do Sul, Zequinha mostrou conhecimento da pasta que assume e dos desafios que tem pela frente. “Esse novo desafio é importante. Sei que não vou estar só para realizar este trabalho. Já foi criado pelo Prefeito e aprovado pela Câmara o Plano Municipal de Cultura e com ele o Fundo Municipal e o Conselho Municipal de Cultura, que são peças fundamentais pra que possamos estar interligado com o Sistema Nacional de Cultura e a partir disso habilitarmos a receber recursos sejam do Governo Federal ou da iniciativa privada para gerir atividades culturais, esportivas ou de implementação ao Turismo em nossa região”, explicou o secretário.

Segundo ele a prioridade inicial é a manutenção dos principais eventos já realizados pelo município levando em conta o orçamento disponível no momento e a busca de parcerias que possam somar ao trabalho e assim traçar junto com o Conselho Municipal de Cultura a inclusão de outras atividades no Calendário Cultural do município.

Zequinha Lima presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Acre de 1998 a 2000. Foi vereador por dois mandatos de 2001 a 2008, e por três anos coordenou o núcleo de educação estadual.

Por Vanisia Nery
Com informações de Alexandre Gomes

Comentários