CULTURA: Pesquisador encontra crônica inédita de Lima Barreto


Filósofo, professor, autor de biografias sobre grandes nomes da literatura em língua portuguesa, doutor em Estudos Brasileiros (Literatura e Cultura) pela Universidade de Lisboa e, atualmente, também bolsista do Programa Nacional de Apoio a Pesquisadores Residentes (PNAP-R), da Fundação Biblioteca Nacional (FBN), o português João Marques Lopes fez uma recente descoberta sobre Lima Barreto (1881-1922).

Na divisão de manuscritos da biblioteca (localizada no Rio de Janeiro), numa pasta contendo material do escritor brasileiro, o pesquisador – que estuda a recepção da obra de Barreto em Portugal – encontrou uma crônica inédita do autor de Triste fim de Policarpo Quaresma.

Batizada de Portugueses na África, a crônica, possivelmente de 1907 (ano presente no verso de uma das folhas) deveria ser publicada na coluna "Echos", da revista A Floreal, pioneira publicação no Brasil com conteúdo anarquista. Também foi encontrada uma crônica incompleta (provavelmente de 1908), intitulada Jornais, na qual Lima Barreto critica o alinhamento político entre a imprensa de Brasil e Portugal.

Em Portugueses na África, o escritor critica a ação do exercido de Portugal ao expandir seus domínios em Angola para o interior do país (desde o século 16, os colonizadores se mantinham no litoral).

Na incompleta Jornais, Lima Barreto reflete sobre o destaque dado pelos jornais da época – dependentes economicamente de comerciantes portugueses – para a morte do Rei Dom Carlos e seu filho, Dom Luís Felipe de Bragança, assassinados em fevereiro de 1908.

A transcrição dos dois documentos podem ser lidas no site da Fundação Biblioteca Nacional

Reconhecido como um dos maiores nomes da literatura brasileira, o carioca Afonso Henriques de Lima Barreto foi autor de romances, crônicas e contos. Ela praticava uma escrita nos moldes do realismo e do naturalismo, utilizando uma linguagem coloquial e abordando temática social. Seu estilo foi influência para o desenvolvimento da literatura modernista brasileira.


Comentários