Aprovação ao governo Dilma vai a 10% e reprovação chega a 69%, aponta CNI/Ibope

Divulgação de pesquisa da CNI-Ibope ocorre em meio a processo de impeachment e desembarque do PMDB
Presidência da República/Divulgação - 24.03.2016
Presidente Dilma Rousseff durante entrevista para veículos da imprensa internacional 

A mais nova pesquisa CNI/Ibope, divulgada na manhã desta quarta-feira (30) pela Confederação Nacional das Indústrias, mostra que a avaliação ao governo Dilma Rousseff permaneceu estável nos principais índices, com pequenas oscilações, para cima ou para baixo, dentro da margem de erro. No total, foram ouvidas 2.002 pessoas de 142 municípios, entre os dias 17 e 22 de março.

A aprovação ao governo – aqueles que o consideram bom ou ótimo – teve pequena evolução: enquanto, na última pesquisa da CNI/Ibope, divulgada em dezembro, ela foi de 9%, o novo levantamento mostra que subiu para 10%. A popularidade de Dilma continua baixa. Na avaliação de 69% da população, o atual governo é ruim ou péssimo, número similar aos 70% registrados em 2015.

A popularidade é um pouco melhor na região Nordeste, onde 18% avaliam o governo como ótimo ou bom. Na região Sudeste, o percentual cai para 7%.

Entre os entrevistados, 80% não confiam na presidente e 82% desaprovam sua maneira de governar. Entre as pessoas que têm até a quarta série do ensino fundamental, 70% desaprovam e 24% aprovam a maneira de governar de Dilma. Entre os que têm educação superior, 87% desaprovam e 9% aprovam a maneira do governo atuar.

80% dos brasileiros dizem que o segundo governo Dilma está sendo pior que o primeiro e 68% acham que o restante do mandato da presidente deverá ser ruim ou péssimo.

Esse é o quarto trimestre consecutivo que o governo de Dilma alcança o maior percentual de desaprovação registrado desde o fim do governo Sarney, aponta a pesquisa CNI-Ibope

Insatisfação

A principal insatisfação dos brasileiros é com as políticas para impostos de juros. Segundo a pesquisa, 91% desaprovam a atuação do governo na área de tributos e 90% reprovam a taxa de juros. Na área da saúde, o governo aparece com 87% de desaprovação. O combate ao desemprego e controle da inflação aparecem em seguida com 86% de reprovação.

As áreas com menor insatisfação das pessoas são: combate à fome e à pobreza (69% de desaprovação) e meio ambiente (68% de desaprovação). Em seguida, vem a educação, com 74% de reprovação.

Fonte: http://ultimosegundo.ig.com.br/

Comentários