"Governos anteriores controlavam instituições de investigação", diz procurador

Boa parte da independência atual do MP e da PF decorre de uma não intervenção do poder político atual, fato que tem que ser reconhecido, disse Carlos Fernando dos Santos Lima
Leonardo Benassatto/Futura Press - 04.03.16
Após deflagração da 24ª fase da Lava Jato, agentes chegaram com malotes à sede da PF

O procurador da República Carlos Fernando dos Santos Lima, integrante da força-tarefa da operação Lava Jato, disse esperar que a operação siga com independência para atuar e deixou um recado implícito para eventual governo do peemedebista Michel Temer, caso Dilma Rousseff seja afastada em um processo de impeachment.

"Aqui temos um ponto positivo que os governos investigados do PT têm a seu favor. Boa parte da independência atual do Ministério Público, da capacidade técnica da Polícia Federal decorre de uma não intervenção do poder político, fato que tem que ser reconhecido. Os governos anteriores realmente mantinham o controle das instituições, mas esperamos que isso esteja superado", disse em um recado velado a governantes em um eventual cenário pós-Dilma."Em um País com instituições sólidas, a troca de governo não significa absolutamente nada. Quero crer que nenhum governo no Brasil signifique alterações de rumo no Ministério Público, no Judiciário, na Polícia Federal. Deveria ser assim", afirmou ao ser questionado sobre a possibilidade de Temer assumir a Presidência.

"Queremos simplesmente que as instituições continuem livres para continuar a fazer o que a lei exige delas", prosseguiu.

Lima realizou palestra na Câmara Americana de Comércio Brasil-Estados Unidos, Amcham, em São Paulo, onde falou a empresários e pessoas ligadas a área de compliance. Rodrigo Félix Leal/Futura Press
Procurador Carlos Fernando Lima em coletiva no auditório da Polícia Federal em Curitiba (PR)

Após a palestra, ele reforçou a questão em entrevista. "Nós temos riscos de obstaculização da operação quase que diariamente as interceptações telefônicas mostram isso. Colaboradores mostram isso. Agora, creio que as pessoas perceberam que o risco de tentar obstruir a Lava Jato é muito grande", disse em referência aos grampos envolvendo o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Em uma das interceptações, por exemplo, o prefeito de São Bernardo do Campo (SP), Luiz Marinho, aliado próximo de Lula, discute com o advogado do ex-presidente a informação que teria recebido sobre deflagração de fase da Lava Jato no dia seguinte. "Não tentem fazer isso novamente", disse em tom de alerta.

Procurado, o Instituto Fernando Henrique Cardoso não havia comentado até às 11h30 desta quarta-feira as declarações feitas pelo procurador.

Fonte: www.ig.com.br

Comentários