Marcelo Odebrecht admite ter doado R$ 150 milhões à chapa Dilma-Temer

Ex-presidente da Odebrecht confirmou também, em depoimento, que encontrou Temer para tratar de doações, mas nega ter falado em valores
Imagem: http://baianafm.com.br/wp/wp-content/uploads/2015/10/marcelo_odebrecht.jpg
O empresário Marcelo Odebrecht confirmou, nesta quarta-feira (1º) em depoimento ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) , que fez a doação de R$ 150 milhões à chapa Dilma-Temer na eleição presidencial de 2014, como caixa dois. 

O ex-presidente da Odebrecht disse, em seu depoimento, que não tinha como dizer "com certeza" se a ex-presidente Dilma Rousseff (PT) e o presidente da República Michel Temer (PMDB) sabiam das negociações ou de qualquer "ilicitude das doações" – ou seja, que elas eram ilícitas. As informações são da TV Globo e da agência Reuters . 

As declarações foram feitas em Curitiba, no processo em que o PSDB pede a cassação da chapa Dilma-Temer.

Parte do valor, segundo Marcelo, foi pago no exterior ao marqueteiro do PT, João Santana. O empresário afirmou também, em depoimento, que se reuniu com Temer para tratar de doações ao PMDB no mesmo ano, mas nega ter tratado de valores com o então vice-presidente.

Depoimentos de executivos

Inicialmente, estavam previstos para ocorrer também nesta quarta-feira os depoimentos de Cláudio Melo Filho e Alexandrino de Salles Ramos, dois ex-diretores da Odebrecht . A Corregedoria-Geral da Justiça Eleitoral (CGE), no entanto, decidiu remarcar esses interrogatórios para a próxima segunda-feira (6).


Antes disso, foram agendados mais dois depoimentos com ex-diretores da construtora: Benedicto Barbosa da Silva Júnior e Fernando Reis, que serão ouvidos nesta quinta-feira (2) no Tribunal Regional Federal do Rio de Janeiro (TRF-RJ).

Os cinco empreiteiros integram a lista de 77 executivos da Odebrecht que fecharam acordo de colaboração com o Ministério Público Federal no âmbito das investigações da Operação Lava Jato.

Por imposição dos termos do acordo firmado entre os executivos e o MPF, o teor dos depoimentos à Corregedoria do TSE deverá ser mantido em sigilo.


As oitivas foram pedidas pelo ministro Herman Benjamin, relator da ação contra a chapa de Dilma e de Temer. Ele justificou a convocação dos delatores mencionando "indicativos extraídos da mídia escrita de que houve depoimentos relacionados à campanha eleitoral da chapa Dilma-Temer" nos acordos de delação assinados pelos executivos da construtora.

Comentários

Postagens mais visitadas