Justiça determina bloqueio de bens do Partido Progressista e de 11 políticos ligados à legenda


Investigadores haviam protocolado ação solicitando a responsabilização do partido por atos de improbidade. Veja lista de acusados, que terão 15 dias para apresentar defesa
Reprodução - Partido é o que mais tem membros enrolados na Operação Lava Jato
A Justiça de Curitiba determinou, nesta sexta-feira (7), o bloqueio dos bens do Partido Progressista e de mais 11 políticos ligados à legenda. Em decisão, o juiz Friedmann Anderson Wendpap, da 1ª Vara Federal, determinou a indisponibilidade de R$ 477 milhões. Desses, R$ 9,88 milhões foram do PP.
Há 16 dias, a força-tarefa da Operação Lava Jato protocolou uma ação civil solicitando a responsabilização do partido por atos de improbidade administrativa.
Esta é a primeira vez que uma sigla investigada pelos desvios de dinheiro da Petrobras é culpada por crimes cometidos no âmbito da operação. Também foi solicitado o pagamento de uma multa civil no valor de R$ 1,3 bilhão.
O juiz definiu como alvos do bloqueio imóveis, automóveis e ativos financeiros. Os acusados terão 15 dias para apresentar a defesa prévia.
Veja os nomes envolvidos na ação:
Deputados federais
- Nelson Meurer (PP-PR): R$ 78,8 milhões
- Mário Negromonte Júnior (PP-BA): R$ 2,733 milhões
- Arthur Lira (PP-AL): R$ 7.767.776,96
- Otávio Germano (PP-RS): R$ 10,04 milhões
- Luiz Fernando Faria (PP-MG): R$ 8,16 milhões
- Roberto Britto (PP-BA): R$ 8,16 milhões

Ex-deputados federais
- Pedro Henry (PP-MT): R$ 800 mil
- João Pizzolatti (PP-SC): R$ 124.055.758,32
- Mário Negromonte (PP-BA): R$ 166.921.262,16

Ex-tesoureiro do PP
- João Carlos Genu: R$ 12,8 milhões
Fonte: http://congressoemfoco.uol.com.br/

Comentários

Postagens mais visitadas