Votação da reforma trabalhista coloca mudanças na Previdência sob risco

Número de votos pró-reforma trabalhista verificado nesta quarta-feira foi menor do que o necessário para aprovar a reforma da Previdência na Câmara

J.Batista/Câmara dos Deputados - 26.4.2017
Deputados da oposição fizeram protesto contra a votação da reforma trabalhista no plenário da Câmara

A aprovação da reforma trabalhista na Câmara dos Deputados, ocorrida na noite desta quarta-feira (26) , levantou dúvidas acerca da capacidade do governo em aprovar a reforma da Previdência, que também é discutida pelos deputados. 


O texto-base da reforma trabalhista recebeu o apoio de 296 parlamentares na votação desta quarta-feira, número inferior ao mínimo necessário para aprovar as alterações idealizadas pela equipe de Michel Temer para as regras da aposentadoria. Por se tratar de uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC), a reforma da Previdência precisa do apoio de ao menos 3/5 dos deputados, o equivalente a 308 votos. Além disso, são necessárias votações em dois turnos no plenário da Câmara.

O projeto que modifica pontos da legislação trabalhista teve 177 votos contrários na Câmara, alguns deles de parlamentares que compõem a base de apoio do governo no Congresso. A 'dissidência' atingiu até mesmo a bancada do PMDB, partido de Michel Temer, que viu sete de seus integrantes irem contra o projeto.

O presidente, no entanto, não queimou todos os seus cartuchos já nesta quarta-feira. O chefe do Executivo federal exonerou três ministros que possuem mandatos como deputado federal para participar da votação da reforma trabalhista: Mendonça Filho (Educação), Bruno Araújo (Cidades) e Fernando Bezerra Filho (Minas e Energia). Para aprovar a reforma da Previdência, o contingente de ministros que devem retomar momentaneamente seus postos na Câmara pode subir para 15, segundo informação do Blog Esplanada , do iG. 

A PEC da reforma da Previdência ainda está em discussão na comissão especial da Câmara, onde os deputados da base e da oposição firmaram acordo para que a do relatório apresentado por Arthur Maia (PPS-BA) seja votado na próxima terça-feira (2).

Já a partir do dia 8, o relatório estaria pronto para ser votado no plenário da Câmara dos Deputados. Para que isso aconteça, a equipe do governo Temer segue atuando para conquistar os votos necessários para aprovar as mudanças nas regras para a aposentadoria.

Fator greve

No Senado, o petista Lindbergh Farias (RJ) disse acreditar que a greve geral marcada para esta sexta-feira (28) pode impactar na votação da reforma da Previdência na Câmara. 

"Eu acho que essa greve vai derrotar de vez a reforma da Previdência e vai balançar de vez o Palácio do Planalto. É como se o Brasil todo estivesse dizendo 'Sai, Temer, sai daí', e esse governo vai ficar cada vez mais fraco", declarou o senador.

Lindbergh também considerou a reforma trabalhista "uma perversidade brutal" contra os trabalhadores e criticou as mudanças na Previdência Rural e no Benefício de Prestação Continuada, pago a pessoas com deficiência e a idosos acima de 65 anos que tenham renda mensal inferior a um quarto do salário mínimo. Para o senador, tirar dinheiro dessas pessoas significa um prejuízo ao País porque esses dois benefícios têm efeito dinamizador na economia.


*Com informações da Agência Senado

Comentários