Pular para o conteúdo principal

Um ano de governo Temer: o imaginário que move a agenda do atraso



Janete Capiberibe *
O governo Michel Temer, que completa um ano nesta sexta-feira (12), contada a interinidade, demonstra ter inspiração claramente antipopular. Para defender a tese, não são necessários argumentos pretensamente técnicos, como os do governo, que esgrima um mal demonstrado “déficit” na Previdência Social, para justificar a amplitude e “urgência” do assalto aos direitos da população.

A tese se afirma de modo seguro e direto, se atentarmos para a evidência simples de que a chapa que venceu as eleições em 2014 tinha plataforma completamente distinta daquela que, agora, o Executivo implementa. Em contraposição frontal ao mandato outorgado, portanto, o mandatário executa a sua própria agenda, desdenhando do poder concedente e avocando para si, com tal atitude, a própria condição de “soberano”. Os que não gostam da palavra golpe precisam encontrar outra, portanto, que melhor se adeque à situação que o Brasil vive na prática.
É preciso, contudo, deixar a arena da macropolítica – em que estão, por suas escalas, as contrarreformas trabalhista e da Previdência – para entender a real extensão da natureza antipopular deste governo, que com a ampla desinibição de sua base parlamentar, transforma a barbárie da destruição de marcos regulatórios mínimos do Estado Nacional, em “processo de modernização”.
Comecemos, então, pela contrarreforma das relações trabalhistas no campo, que admite o absurdo do pagamento que não seja em espécie. Aqui, em primeiríssimo lugar, a sordidez de propor como mera possibilidade o que está vocacionado para se converter em regra geral: o trabalho remunerado por qualquer outra coisa que não seja dinheiro!
Ora, todos sabemos que esta lógica é a mesma que presidiu o Brasil das relações de servidão no campo e está vinculada à imigração, que se seguiu ao colapso do escravismo colonial. Como procedimento, diga-se de passagem, nunca foi inteiramente superado, como muito bem o demonstram os casos de trabalho análogo à escravidão, que se alimenta com dívidas contraídas por trabalhadores que, a sua vez, jamais recebem qualquer pagamento monetário.
Avançando para pauta ambiental, o rito de licenciamento é fragilizado, em nome de um imaginário amplamente retrógrado e ultrapassado, que vê a natureza sob a perspectiva de uma disponibilidade absoluta e inesgotável. Essa “modernidade governista”, que usa botas e chicote, luta por aprovar o Projeto de Lei 3.729/2004, que fragiliza os ritos de licenciamento ambiental, além de, obviamente, bater palmas para o contingenciamento de 43% do orçamento do Ministério do Meio Ambiente.
Curioso que, aos poucos, a legislação ordinária e as práticas administrativas vão derrogando as previsões do Artigo 225 da Constituição Federal, que assegura que “Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá-lo para as presentes e futuras gerações”.
Na questão fundiária, a terra é desinvestida da condição de pressuposto de toda e qualquer vida no planeta, reduzida à mais imediata venalidade e, consequentemente, se lhe aplicam os ditames dos mercados. Deste modo, a base governista se prepara para a tentativa de aprovar a permissão de venda de terras para estrangeiros, prevista nos Projetos de Lei 2289/2007 e 4059/2012; beneficiar a grilagem de terras, eliminar o conceito de uso social da terra e extinguir a reforma agrária com a MP 759/2016; além de reduzir as áreas protegidas e Unidades de Conservação, no âmbito das MP 756/2016 e 758/2016.
A ofensiva restauradora governista não estaria completa se não se dirigisse também ao intento de fragilizar os direitos territoriais indígenas, por meio das PEC 215/2000, que acaba com demarcação de Terras Indígenas e PEC 132/2015, que possibilita a indenização a ocupantes das mesmas.
O percurso realizado, que lista rapidamente o esforço legiferante da base governista – somado às previsões das contrarreformas trabalhista e previdenciária, não abordadas em seus detalhes aqui – demonstra não apenas a extensão e intensidade do ataque aos direitos fundamentais da gente brasileira, mas o imaginário que o move.
Estamos diante de um arranjo hegemônico que não apenas governa contra o povo, mas deseja fazê-lo, no futuro, sem referir-se a povo algum. Querem nos reduzir a gente desprovida de direitos, sem autonomia ou expectativa de emancipação, segura pelo cabresto firme do abandono à própria sorte.
Quando se diz, portanto, que a casa grande quer recuperar o protagonismo na vida política nacional, a locução casa muito bem com a mais imediata realidade. Um território sem povo, esse é o desejo final dessa elite do atraso, para a qual a força de trabalho deve ser reduzida à condição dos “semoventes” e a natureza, de disponibilidade irrestrita, pronta para ser espoliada e destruída. Este cenário de terra arrasada nos atingirá, como elite que são, pois poderão sempre conduzir de Miami, seus negócios em solo pátrio.
* Janete Capiberibe é deputada federal pelo PSB no exercício do quarto mandato eleita pelo povo do Amapá.

Fonte: http://congressoemfoco.uol.com.br

Comentários

MAIS LIDAS

Hoje é Dia do Médico

Imagem: Divulgação Quem é que está conosco, na maioria das vezes desde nosso primeiro "choro"??? Cuida da preservação e restauração de nossa saúde com todo cuidado para termos melhor qualidade de vida? É isso aí: o médico! Ser médico é desenvolver a "arte de curar", por isso merecem um dia especial, que é comemorado em 18 de outubro. A data foi escolhida por ser o dia consagrado a São Lucas que, o "amado médico", segundo o apóstolo Paulo. Ele teria estudou medicina, além de ser pintor, músico e historiador. A tradição de ter São Lucas como o patrono dos médicos se iniciou por volta do século XV. Imagem: Divulgação A origem do Dia do MédicoO dia 18 de outubro foi escolhido como “dia dos médicos” por ser o dia consagrado pela Igreja a São Lucas. Como se sabe, Lucas foi um dos quatro evangelistas do Novo Testamento. Seu evangelho é o terceiro em ordem cronológica; os dois que o precederam foram escritos pelos apóstolos Mateus e Marcos.
Luca…

Dia Internacional da Mulher

História 8 DE MARÇO É DA MULHER

As mulheres do Século XVIII eram submetidas à um sistema desumano de trabalho, com jornadas de 12 horas diárias, espancamentos e ameaças sexuais

O Dia Internacional da Mulher, 8 de março, está intimamente ligado aos movimentos feministas que buscavam mais dignidade para as mulheres e sociedades mais justas e igualitárias. É a partir da Revolução Industrial, em 1789, que estas reivindicações tomam maior vulto com a exigência de melhores condições de trabalho, acesso à cultura e igualdade entre os sexos. As operárias desta época eram submetidas à um sistema desumano de trabalho, com jornadas de 12 horas diárias, espancamentos e ameaças sexuais.

Dentro deste contexto, 129 tecelãs da fábrica de tecidos Cotton, de Nova Iorque, decidiram paralisar seus trabalhos, reivindicando o direito à jornada de 10 horas. Era 8 de março de 1857, data da prim…

Criança chega ao hospital de Sena com a cabeça cheia de tapurus

Os bichos só foram descobertos quando o médico que atendeu o menino mandou que lhe raspassem a cabeça. Da Redação da Agência ContilNet A cabeça da criança estava cheia de 'tapurus'/Foto: Marcio Farias
Uma criança de sete anos de idade foi internada no hospital João Câncio Fernandes, em Sena Madureira, com dois grandes buracos na cabeça onde estavam ‘hospedados’ bichos, tipos tapurus, mais conhecidos como ‘ôras’, um parasita bastante comum na zona rural. Além dos bichos alojados nos dois orifícios, outra parte do couro cabeludo também estava tomada por parasitas. O menino, que mora na estrada de Manoel Urbano está sendo acompanhado pelo Conselho Tutelar do município. Os pais disseram que há vários meses o filho reclamava de coceira na cabeça, mas não sabiam que se tratava de uma doença tão grave. Os bichos só foram descobertos quando o médico que atendeu o menino mandou que lhe raspassem a cabeça. Para a surpresa de todos no hospital, surgiram dois grandes buracos onde os…