ACRE: Rosana diz que governo pagou 1 milhão de reais para italiano ensinar acreano a fritar mandim

Tem uma máxima afirmadora de que todo império começa a ruir internamente. A ruptura do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Acre (Sinteac) com o governo estadual pode significar o fim de uma era. A era do mais completo e longevo domínio político nas terras de Galvez de um projeto de poder, que colocou de joelhos o movimento social e algumas instituições tidas como democráticas.

Agora desfiliada do PT, Rosana Nascimento, 46 anos, ingressou na legenda em 2005 e construiu uma história com seus pares talhada a machadadas. Se a máquina petista-estatal ajudou ela a chegar ao controle do maior e mais estratégico sindicato do Acre, entidade que protagonizou os principais movimentos cívicos do estado, entre eles “O Dia D” e os “Foras Romildo e Orleir”, por outro Rosana ajudou muito o petismo no movimento sindical.

Rosana: “Nos dois governos do Tião Viana não houve nenhum investimento na educação”

Afinidades e diferenças à parte, o fato é que uma guerra foi declarada. Ela liderou a mais longa greve da história acreana (65 dias) e, na semana passada, aliada a outros sindicalistas, anunciou outro movimento paredista, desta feita contra cortes de salários, o que, segunda ela, caracteriza descaso e perseguição. “Vamos dá uma resposta à precarização da educação e saúde”, ameaçou a sindicalista.

Quanto aos argumentos palacianos de que não existem recursos, notadamente por causa da crise econômica, Nascimento contrapõe expondo aquilo que o petismo tinha como dogma: a propalada inversão de prioridades. “Prioridade é manter uma legião de apadrinhados em cargos comissionados? É pagar pensão para ex-governadores? É investir o dobro em mídia do que em segurança? É entupir a Assembleia Legislativa de dinheiro? É enriquecer empresários sanguessugas? É destinar milhões do orçamento para a Casa Civil e o Gabinete da vice-governadora?”, detona a líder sindical.

À frente do Sinteac e da Central Única dos Trabalhadores (CUT), a ativista admite alguns erros. “Fui ingênua em pensar que o PT pudesse representar os trabalhadores. Trata-se de uma legenda degenerada que vendeu a sua alma para o diabo”, sentencia ela, ressaltando que jamais vai trair a classe a qual representa. “A missão do sindicalista é apenas uma: defender a categoria, diz”.

Em uma das salas do sindicato, Rosana Nascimento recebeu a equipe da ContilNet e concedeu esta entrevista, que traz também uma revelação impressionante: a sindicalista diz quer o governo do Acre pagou cerca de um milhão de reais para um italiano, de Milão, ensinar os acreanos a fritar mandim. Vejam os principais trechos:

ContinNet – Quais são as verdades e mentiras do governo estadual ?

Rosana Nascimento – É muito difícil saber o que é verdade e mentira desse governo, principalmente porque ele firma compromissos e não os cumprem. Agora tem uma mentira cínica: dizer que não pode atender minimamente as nossas reivindicações. O pessoal de apoio, que trabalha nas escolas, está passando uma situação extremamente difícil. Em média, estão recebem R$ 600 e isso e, com o atual custo de vida, não dá sequer para alimentar a família. Por causa da greve, foi a tirada dobra e assim ficou até os dias de hoje. Alguns desses servidores estão passando necessidade. Quase todos os dias a gente faz cota para complementar a renda dessas pessoas. É uma situação crítica, gravíssima e o governo faz cara de paisagem.

O governo petista falou muito em inversão de prioridades. A senhora sabe explicar isso?

Rosana Nascimento – Essa é outra mentira deslavada. Inversão de prioridades é exatamente o que o governo não faz. O governo só investe na educação o dinheiro do Fundeb, que é um repasse do governo federal. Não existe um único investimento de recursos próprios. A ex-deputada Naluh Gouveia aprovou um projeto para o governo investir até 30% na educação. Isso nunca foi efetivado, ou seja, nunca se investiu na ponta onde estão as merendeiras, que trabalham em condições perigosas e insalubres. Os 30% precisam ser investidos nas condições de trabalho como, por exemplo, na climatização das salas de aulas e na adequação das cozinhas. Isto seria investir no ensino-base. Enquanto isso, a Secretaria de Educação está inchada de cargos comissionas. A inversão começaria no orçamento. A Educação, a Saúde e a Produção nunca foram prioridades. Nos dois governos do Tião Viana não houve nenhum investimento na educação.

Quais os motivos de uma greve tão prolongada? E por que não houve avanços?

Rosana Nascimento – O governo foi intransigente e sequer quis negociar. Usando recursos da máquina pública, difundiu mentiras e instalou o terror entre os servidores para desmobilizar o nossa categoria, não obstante à tentativa de desqualificar o Sinteac. Tentavam levar para o campo pessoal, tentando me colocar contra a opinião pública. Não tenho nada pessoal contra o governador e nenhum membro de sua equipe. Alias, não tenho amigos nesse governo. A função de um sindicalista é defender a sua categoria, independentemente de quem estiver no governo. Não houve avanços porque o governo não quis. E aqui vai um aviso: a greve foi apenas suspensa. Se o governo continuar tratando a educação dessa forma, sequer iremos iniciar ao ano letivo.

O governo primeiro fez cortes na educação e, mais recentemente, na saúde. O que está acontecendo e quais as providência que os sindicatos estão tomando?

Rosana Nascimento – No mês passado, a educação fez descontos nos salários dos servidores. Nos ganhamos uma causa e passamos a ter descontos em nossos contracheques. De uma professora como eu, com 25 anos de serviços, dera de R$ 36. Mas descontaram 150, 300 e até R$ 600. Nós fomos secretaria saber o motivo desses descontos e eles disseram que foi um problema na SGA (Secretaria de Gestão Administrativa). Até agora não deram uma justificativa nem devolveram o nosso dinheiro. Este mês descontaram na saúde. O que entendemos com isso? Que estão fazendo um rodízio de descontos para pagar dívidas do governo. No próximo dia 11, iremos fazer uma grande mobilização para denunciar essa expropriação.

O governo estadual gasta, com o aparato estatal e outros órgãos públicos, cerca de R$ 150 milhões anualmente. Comente sobre isso?

Para uma economia pobre como a nossa, ou seja, somos um ente subdesenvolvido, é muito dinheiro para esses dois setores. Mais não acontece por acaso. A Assembleia, que deveria ser uma instituição a serviços dos acreanos, é submissa e atende aos interesses nada republicanos desse governo. Os deputados fazem apenas teatro e não encaminham, e muito menos encampam, bandeiras e lutas dos trabalhadores e desvalidos. O gordo orçamento do Executivo é para manter a luxúria palaciana. Só pra se ter uma ideia, eles gastaram quase 1 R$ milhão pra trazer um cozinheiro de Milão (Itália) para ensinar a gente a fritar mandin. Isso seria cômico se não fosse trágico.

A pensão para ex-governadores foi reativada no governo do PT. A senhora acha isso justo?

Ao contrário, considero imoral e ilegal. O trabalhador precisa de 35 anos de tempo de contribuição para se aposentar. Ter sido governador constitui uma honraria, uma causa republicana e não um meio de vida. Existem ex-governadores acumulando supersalários por causa dessa aberração. Por que o senador Jorge Viana tem que ganhar salários de senador e ex-governador? São R$ 12 milhões gastos anualmente com essa patifaria. Por que o governo tem que pagar dois secretários de Comunicação? Existe um número absurdo de assessores especiais, ganhando R$ 19 mil, que ninguém sequer ver trabalhando. Isso é concentração de renda de um governo que apadrinha seus amigos e familiares.

Fonte: contilnetnoticias.com.br/

Comentários