Dia do Idoso reforça a busca por uma sociedade inclusiva e igualitária



O envelhecimento populacional é uma tendência mundial para as próximas décadas. No mundo todo, uma em cada 9 pessoas tem 60 anos de idade ou mais. Estima-se que haverá um crescimento para um em cada 5 por volta de 2050. Na mesma época existirão pela primeira vez mais idosos que crianças menores de 15 anos.

O aumento da longevidade é fruto de melhoras na nutrição, nas condições sanitárias e socioeconômicas, avanços da medicina, cuidados em saúde, entre outros fatores. No entanto, nem sempre o aumento da população idosa no mundo é visto como uma conquista. Existe uma série de estereótipos negativos associados a esta fase da vida, causando impactos no cotidiano das pessoas idosas, como as ideias de que esta fase da vida é caracterizada pela inatividade, isolamento e abandono.

Com o objetivo de sensibilizar a sociedade para a necessidade de valorizar a população idosa, a Organização das Nações Unidas (ONU) instituiu o Dia Internacional do Idoso, por meio da Resolução publicada em 1990. O Brasil também adotou essa estratégia, estabelecendo o dia 1º de Outubro como Dia Nacional do Idoso, conforme define a Lei nº 11.433, de 28 de dezembro de 2006.

Maria Cristina Hoffmann, da Coordenação da Saúde da Pessoa Idosa do Ministério da Saúde ressalta a importância de incluir a população mais velha na construção das políticas públicas. “Em função da mudança demográfica, é muito importante que as políticas públicas respondam tragam ao desafio de se adequar de forma a oferecer uma melhor atenção às pessoas idosas. Ter uma sociedade mais solidária e inclusiva, implica em se conhecer as necessidades deste grupo populacional que vem crescendo muito rapidamente. Para qualificar a atenção ofertada nos serviços de saúde, por exemplo, é importante que as ações incentivem o protagonismo das pessoas idosas, na construção de atividades que façam sentido para elas”, conta.

Para conhecer, dar visibilidade e incentivar a boas práticas de municípios e estados no campo da saúde da pessoa idosa, o Ministério da Saúde realiza anualmente o Mapeamento de Experiências Exitosas Estaduais e Municipais no campo do Envelhecimento e Saúde da Pessoa Idosa. A iniciativa integra, desde 2013, a agenda anual da Coordenação de Saúde da Pessoa Idosa, em parceria com o Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde (ICICT/Fiocruz). O projeto tem como objetivo incentivar os gestores a fomentarem estratégias e ações que contribuam para qualificar o cuidado à pessoa idosa no Sistema Único de Saúde.Em 2015, foram inscritas 178 experiências de todas as regiões do país . A divulgação das 12 experiências selecionadas este ano estará disponível no endereço eletrônico http://saudedapessoaidosa.fiocruz.br/ a partir de hoje, 1º de Outubro.

Conferências- Em dezembro de 2015, ocorrerá a 15ª Conferencia Nacional de Saúde, espaço privilegiado para fortalecer a participação das pessoas idosas nas decisões referentes ao cuidado ofertado a este grupo populacional, no Sistema Único de Saúde. Em abril de 2016, será realizada a 4ª Conferencia Nacional dos Direitos do Idoso que terá como tema “Protagonismo e Empoderamento da Pessoa Idosa - Por um Brasil de Todas as Idades”. O objetivo da escolha do tema para o evento é sensibilizar os órgão públicos, instituições e sociedade em geral para a importância da participação ativa das pessoas idosas na sociedade e na política em geral, rompendo com os estereótipos discriminatórios associados às pessoas idosas associam.

Fonte: Gabriela Rocha/ Blog da Saúde

Comentários