TARAUACÁ: 103 ANOS E UM POUCO DE SUA HISTÓRIA


População estimada 2015 38.819

População 2010: 35.590
Área da unidade territorial: (km²) 20.171,053
Densidade demográfica: (hab/km²) 1,76
Gentílico: tarauacaense
Prefeito: RODRIGO DAMASCENO CATÃO

Mais informações AQUI

BREVE HISTÓRICO 

O século XIX é um século de grandes explorações na Amazônia. Surgem as famosas expedições de Francisco de Orellana, William Chandless, Henry Walter Bates, Alfred Russel Wallace, Spix e Martius, Francisco Castelnau e Deville, sem falar nos inúmeros exploradores que subiam os rios amazônicos em busca das chamadas "drogas do sertão" e, posteriormente, atraídos pela borracha. 

É difícil precisar quando a região de Tarauacá começou a ser povoada. Sabe-se que em 1850, o Padre Constantino Tastevin, no seu livro Le Fleuve Juruá, refere-se a um amigo português que subiu frequentes vezes o Juruá até Marari, e até mesmo ao rio Tarauacá, para troca de produtos europeus com os índios, que cambiavam produtos nativos da região. Mas um dos primeiros a percorrer a região foi João da Cunha Correia, este já em 1854 havia divisado as águas do "rio das tronqueiras". 

A Enciclopédia dos Municípios Brasileiros (IBGE 1957 e 1960) por sua vez ressalta que a exploração das terras marginais do “Tarauacá”, intensificou-se a partir de 1877, com a emigração de nordestinos. Em 1899, um grupo de imigrantes chega à confluência do rio Muru com o Tarauacá, fundando aí, o seringal “Foz do Muru”, que em breve cresceu de importância, pois era aí o ponto de partida para as explorações dos altos rios. O marco inicial, porém, da verdadeira história da desbravação da região, a se ter notícia positiva, data do ano de 1890, quando um grupo de desbravadores penetrou nos rio Muru e Tarauacá, na exploração de demarcação de longas faixas de terras, e formaram os primeiros seringais. 

Seringal Foz do Muru, desenho em bico de pena de Percy Lau a partir de uma fotografia. Da esquerda para a direita: barraca do motorista de rio; barracão, morada do proprietário e sua família; barraca, hospedaria dos empregados; armazém e loja. No porto, batelões com motogodile à popa. Este conjunto erguia-se à margem direita do rio Muru, cuja foz, no rio Tarauacá, estava a cerca de duzentos metros, a contar do barracão, para a esquerda de quem vê o desenho. Antes de serem tragadas pelo rio, essas contruções foram demolidas. (informações em TOCANTINS, Leandro. Os olhos inocentes. São Paulo: Philobiblion, 1984. p. 201) 

Foz do Muru, posteriormente também chamado Bairro Leôncio de Andrade, chegou a ser formado por um conjunto de casas de madeiras, algumas com telhas francesas, que davam à construção as insígnias patriarcais de uma casa-grande. O paraibano Alfredo Lustosa Cabral, depois de sete anos no seringal Redenção, Alto Tarauacá, de propriedade de seu irmão, de regresso a Patos, sua terra natal, registra o dia em que Tarauacá foi elevada à categoria de vila: 

“Em princípio de janeiro de 1907, chegara ao porto de Redenção o navio “Manauense”, da firma comercial J. H. Andersen & Cia. embarcação nova, havia chegado dos estaleiros de Liverpool e a primeira viagem empreendida foi essa ao Tarauacá. Baixamos e, com dois dias, ancoramos na foz do Muru onde se encontravam seis navios fora o nosso. Chegamos felizes, pois havia ali uma festa. Estavam-se inaugurando, nesse dia, Vila Seabra. Achavam-se presentes todas as autoridades – juiz, promotor, tabelião, delegado, agentes do fisco. Assistimos à festa, ouvindo discursos, vivas, apitos de navios e espocar de garrafas. À tarde, o seringal da boca do Muru, já era vila Seabra, tomando o nome daquele conhecido vulto da política nacional. 

Findos os discursos, ouvia-se o hino da Pátria por um gramofone e, ao som do mesmo, danças animadas com os discos da Casa Edson. Não havia mulher na festa. Às cinco horas da tarde, saiu pela mata uma comissão tendo, à frente, autoridades locais, para a inauguração de algumas avenidas, deixando-se nas mesmas as respectivas placas.” (CABRAL, 1984, p.107) Tarauacá, enquanto vila, foi inaugurada pelo Dr. João Virgulino de Alencar, em 01 de janeiro de 1907, edificada inicialmente numa área medindo 500 x 400 metros, doada pela firma J.V. de Meneses e Filho, sendo ofertante os sócios José Vitorino de Meneses e Juvêncio Vitorino de Meneses, este proprietário do seringal Novo Destino, rio Tarauacá, falecido em Belém do Pará em 16 de março de 1914. Em 1904, com a primeira divisão territorial-administrativa dada ao Acre, Tarauacá passa a figurar no Departamento do Alto Juruá, sendo desmembrada deste Departamento em 1912, quando passa a constituir a sede do Departamento do Tarauacá, instalado em 19 de abril de 1913, data que deu origem as outras na qual teve início a vida do município. A prefeitura do Departamento foi instalada pelo coronel Antônio Antunes de Alencar, que se tornou o primeiro prefeito deste Departamento, permanecendo no cargo até 27 de julho de 1914.

Continue lendo AQUI

Comentários