Celular de Bruno Borges deixa rastros e localização pode ajudar investigação

Desaparecido desde o dia 27 de março, o estudante Bruno Borges continua causando questionamentos nas redes sociais. Nesta quarta-feira, dia 05, o delegado Fabrízzio Sobreira, que investiga o caso, concedeu entrevista, ao vivo, para os jornais O Globo e Extra, via internet. A transmissão foi feita pela página dos jornais no facebook.
“O Bruno tinha um projeto minucioso. O plano dele, a princípio, era se afastar, por um determinado tempo, para refletir, e depois retornar ao convívio da família, da sociedade. A princípio, a gente não descarta nenhuma das possibilidades de crime. Já escutamos inúmeras pessoas”, explicou o delegado da Polícia Civil do Acre.

Segundo os pais de Bruno Borges, que estavam em viagem por 24 dias, a ação do estudante de psicologia se deu justamente durante esse período. O quarto do rapaz, inclusive, era um local totalmente privativo no qual apenas ele tinha acesso. Segundo o delegado, a família respeitava a privacidade do acreano.

“O último contato foi com o pai, por volta do meio dia, uma hora, e dali já não foi mais visto pelos familiares. A polícia conseguiu rastrear alguns locais, mas não conseguiu ainda identificar um ponto exato do qual ele, depois de um certo momento, ele seguiu. Mas ele não estava acompanhado por outras pessoas. Não houve coação. Ele não estaria em cárcere privado”, completa.

Leia tudo sobre o caso Bruno Borges


Mas, segundo a polícia, ainda não se tem conhecimento sobre o que de fato Bruno quis ou o que motivou o rapaz a desaparecer sem deixar vestígios. Sobreira informou também alguns amigos e familiares sabiam do projeto do estudante, mas não sabiam ao certo quais os objetivos do rapaz ao adquirir os objetos que deixou no quarto. “O Bruno detinha muito conhecimento”, disse.

Polêmica nas redes sociais

O desaparecimento de Bruno, como destacou o jornal O Globo, ganhou visibilidade, gerando diversas teorias questionando o mistério em torno da história. O ponto de maior interesse foram os livros deixados pelo jovem, que é estudante de Psicologia. Algumas pessoas, inclusive, começaram a se organizar para “traduzir” os escritos.

Muitas pessoas, também se mostraram surpresas com a inteligência do jovem. “Seu irmão é um desses gênios que nunca são compreendidos em seu próprio tempo e apenas passadas muitas gerações é que são respeitados. Espero que ele esteja bem. Coisa certa é que ele sabe muito mais do que nós sobre muitas coisas”, escreveu um usuário do Facebook no perfil da irmã de Bruno, Gabriela Borges.

Os dias de confinamento

Segundo o delegado Fabrizzio Sobreira, não há informações sobre os motivos que levaram Bruno a abandonar toda a obra produzida. Nesse momento, explicou o delegado, a polícia está empenhada em localizar o rapaz e, depois, avaliar os detalhes do caso.

“Esses livros não foram escritos em 24 dias. Foi nesse tempo que ele criou aquele ambiente. Aquele ambiente foi criado dentro desse período. Ele recebeu ajuda de amigos, estudantes de filosofia. A irmã estava em casa, mas o Bruno não fez nada que chamasse a atenção. Ele trabalhou de forma diuturna”, comenta o investigador.

Repercussão internacional

O jornal britânico “Daily Mirror” destacou que o desaparecimento despertou o interesse mundial porque muitas pessoas estão acreditando que ele foi sequestrado por alienígenas após um vídeo bizarro do interior do quarto do jovem ter sido divulgado online.

Já o “Daily Mail” noticiou o caso como “desaparecimento misterioso” e lembrou que o jovem passou o último mês trabalhando no que está sendo noticiado como “um projeto secreto". 

Fonte: http://www.ac24horas.com

Comentários

Postagens mais visitadas