Conta de luz deverá continuar com bandeira vermelha até novembro, diz Aneel

Estimativa foi divulgada por diretor da entidade, que citou início de período de seca; com bandeira vermelha, cobrança fica R$ 3 mais cara por 100 kWh
A conta de luz deverá ter bandeira vermelha patamar 1 acionada até novembro, quando termina o período de seca. A informação foi divulgada nesta quarta-feira (4) por Romeu Rufino, diretor-geral da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Por conta da falta de chuvas, esta bandeira começou a valer no início de abril.


"Muito provavelmente no período seco não haverá uma reversão da situação. Se hoje, no final do período úmido, já se justifica despachar térmicas acima do patamar que aciona a bandeira vermelha, não é provável que essa situação se reverta até o início do próximo período úmido", disse Rufino, sobre a possibilidade de aumento no valor da conta de luz.


Em abril, a bandeira vermelha patamar 1 foi acionada pela primeira vez em 2017. Ela é aplicada quando o País precisa acionar usinas termelétricas devido à falta de chuvas. Com a mudança, os consumidores pagarão R$ 3 a mais para cada 100 quilowatts-hora (kWh) gastos. Em março, a bandeira tarifária utilizada foi a amarela, que tem custo adicional de R$ 2 para cada 100 kWh. Nos meses anteriores, foi utilizada a bandeira verde, sem custo extra para o consumidor.

Rufino lembrou que o período úmido ainda está se encerrando nas regiões Sudeste, Centro-Oeste e Nordeste. Por isso, mesmo que haja um nível de chuvas melhor do que nos outros anos durante o período seco, o volume de água nos reservatórios seguirá baixo. "Não é nesse período que vai recuperar o enchimento de reservatórios", afirmou.

Descontos na conta de luz

Ao mesmo tempo em que o valor da tarifa de energia elétrica ficará mais alto por conta da bandeira vermelha, algumas pessoas terão direito a descontos. Os consumidores residenciais atendidos pela Companhia Paulista de Força e Luz – CPFL Paulista – terão direito redução de 9,62% a partir do próximo sábado (8). Segundo a Aneel, usuários de 4,2 milhões de domicílios serão beneficiados.

O desconto é válido para 234 municípios do estado de São Paulo, incluindo Campinas, Ribeirão Preto, Bauru e São José do Rio Preto. A medida foi tomada por conta do cálculo do reajuste anual de acordo com o estabelecido no contato de concessão em que são avaliados os custos da prestação do serviço em relação à compra de energia, transmissão e encargos setoriais.

Excepcionalmente em abril, a tarifa também incluirá um desconto de 15,28%, referente à devolução dos valores cobrados a mais no ano passado. Nesse caso, o motivo foi a inclusão indevida nas tarifas do custo da energia proveniente da termelétrica de Angra 3, que ainda não entrou em operação.


O mesmo vale a concessionária Energisa Mato Grosso (EMT), que anunciou redução de 1,85% para consumidores residenciais e 2,35 para as indústrias. A empresa atende a 1,3 milhão de unidades consumidores em 141 municípios do estado. Também haverá redução no preço para os 993 mil consumidores atendidos pela Energisa Mato Grosso do Sul. A queda será de 1,69% para residências e de 2,68% para indústrias. A EMS fornece energia para 73 municípios do estado.

Os descontos na conta de luz estão sendo aplicados em outras distribuidores com taxas que oscilam entre 0,95% e 19,47%. No último dia 28, a Aneel aprovou o processo extraordinário de ajusta nas tarifas de 90 distribuidoras do País, resultando na devolução de cerca de R$ 900 milhões. 

* Com informações da Agência Brasil.

Comentários

Postagens mais visitadas