UFAC Realiza a Premiação de Alunos Medalhistas da OBMEP

A Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (OBMEP) é uma realização do Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada - IMPA - e tem como objetivo estimular o estudo da matemática e revelar talentos na área. 

Em primeiro lugar, destacamos o PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Jr. (PIC). Destinado aos alunos medalhistas da OBMEP, o PIC é realizado por meio de uma rede nacional de professores em polos espalhados pelo país, e também no fórum virtual. Tem como objetivos despertar nos alunos o gosto pela matemática e pela ciência em geral e motivá-los na escolha profissional pelas carreiras científicas e tecnológicas. Ao longo de suas edições, a OBMEP já ofereceu a mais de 42 mil alunos a oportunidade de estudar Matemática por 1 ano, com bolsa do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e mais de 2200 alunos participaram do programa como ouvintes. 

Na tarde desta terça-feira, 25, o professor Ivan, da universidade federal do Acre, coordenador das olimpíadas brasileiras de matemática, juntamente com a coordenadora do núcleo de educação estadual, professora Cardcocí Paiva e o professor Paulo Andre, realizaram a entrega das medalhas ao alunos medalhistas das escolas estaduais de Feijó e do Instituto São José de Tarauacá.

De acordo com o professor Ivan, mais uma vez a OBEMEP, realiza em Feijó a premiação dos alunos que conseguiram obterem exito nas olimpíadas de matemática no ano passado, sendo cinco alunos medalhistas, três alunos do município de Feijó, das escolas estadual de ensino fundamental Vicente Celso Brandão, Nanzio Magalhães e Raimundo Augusto de Araújo e dois alunos medalhistas do Instituto São José, do município de Tarauacá, que receberam medalhas de bronze. Em todos o estado Acre, são sessenta alunos medalhistas que receberam medalhas com premiação por se destacarem nas olimpíadas brasileiras de matemática. 

Professora Jane Kelly e seu filho Ney Max, medalhistas da escola estadual de ensino fundamental Nanzio Magalhães e o professor Ivan

As escolas também foram premiadas e receberam troféus por terem seus alunos se destacados na olimpíada. E os professores destas escolas foram premiados também e receberam diplomas. 
A gestora da escola estadual ensino fundamental, Mariana e aluna medalhista, Annnyele da Silva Gomes, 7º ano 

De acordo com a coordenadora do núcleo estadual de educação, professora Cardocí Paiva, disse que mais uma vez a as escolas estadual de ensino de Feijó, estão de parabéns, pois mais um ano as mesmas tem alunos premiados na nas olimpíadas brasileiras de matemática. E o núcleo de educação continua a disposição para dar incentivo aos pais, aos gestores, aos professores e principalmente aos alunos, para todos chega ao topo e conquistem a tão sonhada medalha de ouro. E todos estão de parabéns por mais esta conquista.
Aluna medalhista da escola estadual Raimundo Augusto de Araujo Maria Luciana Carnaúba Rocha, com sua mãe, o professor Paulo e o professor Ivan

Aluno Pedro Henrique Cordeiro, 7ª ano, medalhista do instituto São José de Tarauacá, a gestora do Instituto São José Professora Desterro e o professor Paulo André

A aluna Anabelle Cunha de Albuquerque, 8ª, medalhista do Instituto São José de Tarauacá, com seus pais e seu irmão 

A coordenadora do núcleo de educação estadual de Feijó, professora Cardocí Paiva, professora Paulo André, a gestora da escola estadual de ensino fundamental Raimundo Augusto de Araujo, professora Terezinha Costa e o professor Everly Damasceno

Alunos medalhistas de Feijó

Alunos medalhistas do Instituo São José de Tarauacá
 
Coordenadora do nucleo estadual de educação,professora Cardocí Paiva e o professor de matemática da escola estadual de ensino fundamental Raimundo Augusto de Araujo, Everly Damasceno, professor premiado pelo segundo ano consecutivo

Professor Paulo e a gestora do Instituto São José de Tarauacá, que também foi premiada

Gestora da escola estadual de ensino fundamental Raimundo Augusto de Araujo, professora Terezinha Costa e a gestora do instituto São José de Tarauacá, professora Desterro

Comentários